Art Fértil | WhatsApp
Art Fértil
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

Endometriose: é possível engravidar com a doença?

// Por Dra. Altina Castelo Branco

Presente em até 50% das mulheres com infertilidade, a endometriose tem diferentes graus e formas de se manifestar. Isso significa que, apesar de ser uma importante causa de infertilidade feminina, a doença não é necessariamente um motivo para que a mulher tenha dificuldade de engravidar.

Dependendo do local onde as lesões de endometriose estão presentes, sua profundidade e o quanto os órgãos são afetados, a doença tem maior ou menor possibilidade de dificultar uma gravidez ou, ainda, de causar sintomas que afetem a qualidade de vida da mulher, como cólicas menstruais intensas, dor ou incômodo durante as relações sexuais e dor pélvica crônica.

Neste artigo vamos falar um pouco mais sobre a endometriose e seus efeitos sobre a fertilidade feminina. Confira.

O que é endometriose?

blank

O útero da mulher é revestido internamente por uma camada mucosa chamada de endométrio. Ao longo do ciclo menstrual, com a oscilação dos hormônios femininos, esse tecido cresce e descama, conforme o corpo se prepara para receber um embrião ou inicia um novo ciclo.

Eventualmente são encontrados focos de tecido endometrial em outros locais do corpo, que não o útero — normalmente nas tubas uterinas ou ovários, mas pode acometer também outros órgãos próximos, a exemplo da bexiga e do intestino. Essa condição é chamada de endometriose.

Não se sabe ao certo por que a doença ocorre, porém uma das explicações mais aceitas é a de que parte do tecido endometrial eliminado na menstruação subiria em direção às tubas uterinas, em um processo conhecido como menstruação retrógrada, e se alojaria em outros órgãos.

Outras teorias dizem que células do peritônio passariam por mudanças que as dariam características semelhantes às do endométrio, por ação imunológica ou hormonal, ou ainda, que a doença teria causas genéticas.

Classificação da endometriose

A endometriose é classificada em quatro estágios, de acordo com o local e profundidade dos focos de tecido endometrial, o quanto os órgãos são afetados e a presença de endometriomas (cistos nos ovários causados pela doença):

Já de acordo com critérios morfológicos, a doença pode ser categorizada em três tipos:

Por que a endometriose pode causar infertilidade

Nos casos de endometriose moderada ou grave, a fertilidade pode ser comprometida sobretudo por dois fatores:

Quando não há aderências ou endometriomas e o caso é de infertilidade mínima ou leve, não se sabe ao certo como ela pode interferir na fertilidade da mulher.

Há hipóteses relacionadas ao fato de que a doença afeta o ambiente pélvico, causando inflamações e alterações no sistema imunológico, na produção de hormônios e função das tubas uterinas e em processos importantes para a fertilidade, como a fertilização e a implantação embrionária.

Como a reprodução assistida pode ajudar

Em alguns casos, os focos de endometriose podem ser corrigidos por meio de uma cirurgia de laparoscopia, capaz de restaurar a fertilidade da paciente, que se torna apta a engravidar naturalmente.

No entanto, quando a cirurgia não é indicada, ou quando a dificuldade de engravidar persiste mesmo após o procedimento e já passados uns 6 meses da cirurgia, podem ser indicadas técnicas de reprodução assistida.

As técnicas de baixa complexidade — relação sexual programada (RSP) e inseminação artificial ou intrauterina (IIU) — costumam ser recomendadas para mulheres de até 37 anos de idade e casos de endometriose leve e devem ser indicadas logo após a cirurgia, visando aumentar as taxas de gravidez nesses primeiros 6 meses que a paciente encontra-se tratada pelo menos temporariamente da endometriose.

Já a fertilização in vitro (FIV), técnica mais complexa e sofisticada, pode ser o tratamento indicado para mulheres acima de 37 anos, quadros mais graves e quando há também algum fator de infertilidade masculina envolvido.

Como a fertilização é realizada em laboratório, as tubas uterinas não são necessárias nesse processo, por isso as chances de sucesso são maiores em uma FIV mesmo que a doença tenha causado aderências.

Apesar de ser considerada uma das principais causas de infertilidade feminina, portanto, a endometriose não é um fator determinante para a dificuldade de engravidar.

Para mulheres com a doença, é possível conseguir uma gravidez até mesmo naturalmente. Quando isso não é possível, o casal tem a opção de recorrer a técnicas de reprodução assistida.

Para saber mais sobre endometriose, toque aqui.

Compartilhar: Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

blank blank