Art Fértil | WhatsApp
Art Fértil
Hormônios e infertilidade

Hormônios e infertilidade

// Por Dra. Altina Castelo Branco

Não é exagero dizer que praticamente todos os acontecimentos fisiológicos da função reprodutiva de homens e mulheres são orquestrados pela ação dos hormônios. Assim, o desequilíbrio pode resultar em consequências graves, como infertilidade feminina e masculina.

A palavra hormônio deriva do grego ormóni, que significa estímulo e resume a função dessas substâncias químicas no corpo: enviar mensagens, da estrutura produtora dos hormônios (glândulas e sistema nervoso) em direção a outros órgãos e estruturas corporais, que desencadeiam reações metabólicas.

A fertilidade de homens e mulheres depende, então, de uma dinâmica hormonal própria, da qual participam principalmente o hipotálamo e a hipófise, estruturas do sistema nervoso central, e os ovários e testículos, glândulas sexuais humanas, que armazenam também as células reprodutivas de homens e mulheres: os espermatozoides e óvulos.

O texto a seguir aborda mais de perto a relação entre os hormônios e a fertilidade de homens e mulheres.

Qual é o papel dos hormônios sexuais?

Os hormônios sexuais atuam no corpo humano desde o período embrionário, quando participam da diferenciação funcional e anatômica do sexo, induzindo o desenvolvimento dos ovários, útero e tubas uterinas nos embriões XX, ou dos testículos e pênis, nos embriões XY.

Essa diferenciação depende diretamente da ação do hormônio antimülleriano e posteriormente da testosterona e estrogênios.

O desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários, como as mamas, e o início da vida reprodutiva de homens e mulheres também são acontecimentos motivados por mudanças na secreção hormonal, especialmente as gonadotrofinas LH (hormônio luteinizante) e FSH (hormônio folículo-estimulante), a progesterona e outros hormônios esteroides.

A gestação é igualmente um processo que envolve alterações específicas na dinâmica dos hormônios sexuais, especialmente dos estrogênios, progesterona e prolactina, com reflexos tanto nos aspectos físicos da gravidez, como no comportamento emocional da mulher grávida.

Como agem os hormônios da fertilidade?

Gonadotrofinas: LH e FSH

O LH e o FSH são liberados pela hipófise, como resposta aos estímulos do GnRH (hormônio liberador de gonadotrofinas), produzido pelo hipotálamo.

Nas mulheres, esses hormônios estimulam a produção de testosterona (LH) e sua conversão em estrogênio (FSH), interferindo diretamente no recrutamento e amadurecimento dos folículos, e indiretamente na ovulação e no preparo endometrial, além de estimular o corpo lúteo a produzir progesterona (LH).

Nos homens, as gonadotrofinas participam da espermatogênese e da produção de testosterona, fundamental para a fertilidade.

Testosterona e estrogênios

blank

Embora seja considerado popularmente um hormônio masculino, a testosterona é produzida por homens e mulheres, em concentrações diferentes, enquanto o estrogênio, hormônio também conhecido como exclusivamente feminino, também é produzido pelo corpo masculino em concentrações menores.

O equilíbrio entre esses hormônios é fundamental para a fertilidade das mulheres, já que a ovulação acontece somente quando os estrogênios e as gonadotrofinas atingem seu pico máximo de concentração.

Além disso, os estrogênios atuam diretamente no preparo endometrial, estimulando a multiplicação celular e consequentemente, o espessamento do endométrio.

Já no corpo masculino, a testosterona é produzida em concentrações maiores pelas células de Leydig, sob estímulo do LH, e desempenha um papel central na espermatogênese. O FSH também atua na espermatogênese, nesse caso induzindo as últimas fases do desenvolvimento do espermatócito em espermatozoide, nos túbulos seminíferos.

Embora o homem produza estrogênios, o papel desses hormônios no corpo masculino ainda não está bem elucidado.

As alterações na secreção de testosterona nas mulheres podem ser decorrente da SOP (síndrome dos ovários policísticos), enquanto as doenças provocadas pelo desequilíbrio do estrogênio podem indicar a presença de miomas uterinos, pólipos endometriais e endometriose. Todas elas podem provocar infertilidade feminina.

Progesterona

A progesterona é um hormônio produzido exclusivamente pelo corpo feminino, com papel central para a gestação.

Esse hormônio é produzido pelo corpo lúteo, após a ovulação, sob ação do LH. O endométrio é o principal tecido alvo da progesterona, que controla a ação do estrogênio neste tecido, interrompendo a multiplicação celular e finalizando o preparo endometrial.

Quando a fecundação não acontece, os níveis de progesterona caem até que o endométrio descama e a mulher menstrua, mas se ocorrer a fecundação, o corpo lúteo produz progesterona até o terceiro mês de gestação, quando o papel é assumido pela placenta.

Hormônios tireoidianos

A tireoide é uma glândula localizada no pescoço, que se comunica com a hipófise assim como os ovários e testículos o fazem, e de forma geral está envolvida direta ou indiretamente com a maior parte das dinâmicas metabólicas do corpo. Veja a seguir algumas funções dos hormônios tireoidianos:

Apesar de diversos estudos mostrarem a influência dos hormônios tireoidianos na formação e amadurecimento dos folículos ovarianos, especialmente na diferenciação das células da granulosa, que compõem o folículo, o mecanismo pelo qual essas influências acontecem não foi esclarecido pela ciência ainda.

Contudo, do ponto de vista clínico, constata-se que mulher com o desregulação tireoidiana tem mais chance de encontrar dificuldades para engravidar e sofrer aborto espontâneo.

Prolactina

A prolactina é um hormônio produzido pela hipófise anterior, cuja ação mais conhecida é estimular a produção de leite materno, após o parto e durante parte do puerpério. Contudo o hormônio é liberado também nos ciclos reprodutivos sem gestação e possui interferência no controle dos hormônios envolvidos no ciclo reprodutivo. Sendo assim, a anormalidade deste pode ocasionar alterações na ovulação.

A hiperprolactinemia é um estado típico da gestação, mas quando se manifesta em mulheres na idade reprodutiva e que não estejam grávidas, pode estar relacionada a desequilíbrios hormonais e infertilidade feminina.

O que pode alterar o equilíbrio hormonal?

Como pudemos observar, o equilíbrio hormonal é fundamental para que todas as funções corporais aconteçam sem intercorrências, especialmente a função reprodutiva de homens e mulheres.

Para manter o equilíbrio desse sistema é importante que homens e mulheres estejam atentos e pratiquem bons hábitos cotidianos, como alimentação balanceada, horas suficientes de sono de qualidade e a prática de atividades físicas moderadas.

O consumo de anabolizantes, que atuam diretamente no equilíbrio dos hormônios sexuais, deve ser evitado, exceto sob prescrição médica.

Quer saber mais sobre infertilidade masculina? Toque o link e leia o texto que aborda o assunto.

Compartilhar: Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

blank blank