Art Fértil | WhatsApp
Art Fértil
PESA e MESA: saiba mais sobre a recuperação espermática na FIV

PESA e MESA: saiba mais sobre a recuperação espermática na FIV

// Por Dra. Altina Castelo Branco

Para que a fecundação ocorra – e consequentemente a gestação e o bom desempenho da função reprodutiva – é preciso que o encontro entre os gametas masculino e feminino aconteça sem maiores intercorrências.

A ausência de um dos gametas inviabiliza a fecundação e pode ser motivo para o diagnóstico de infertilidade conjugal.

Nestes casos, é preciso identificar as alterações envolvidas nessa ausência para delinear os melhores tratamentos, inclusive a escolha das técnicas mais adequadas de reprodução assistida.

PESA e MESA são técnicas complementares à FIV (fertilização in vitro) destinadas ao tratamento de formas específicas de infertilidade masculina severa.

Acompanhe a leitura deste texto e conheça melhor as técnicas de recuperação espermática indicadas para principalmente para os casos infertilidade por azoospermia obstrutiva.

O que são gametas?

São chamados gametas as células reprodutivas de homens e mulheres – respectivamente espermatozoides e oócitos – que se unem para formar um novo ser humano, num processo denominado fecundação.

A fecundação por vias naturais acontece normalmente no interior das tubas uterinas, após uma relação sexual sem o uso de preservativos e contraceptivos, e que ocorra durante o período fértil da mulher.

Para que a fecundação aconteça é fundamental que tanto os processos de formação e amadurecimento dos gametas, quanto o trajeto percorrido por eles para que se encontrem, estejam perfeitamente íntegros.

O que é infertilidade masculina?

A infertilidade masculina pode ser diagnosticada quando são identificados problemas na formação do sêmen e dos espermatozoides, bem como a presença de obstruções no trajeto percorrido por eles durante a ejaculação.

A gravidade do quadro de infertilidade pode ser mensurada com a observação da quantidade e concentração de espermatozoides no sêmen, bem como sua qualidade e estabilidade genética.

As principais alterações espermáticas envolvidas nos quadros de infertilidade masculina são:

Todas as alterações mencionadas podem ser provocadas por problemas na formação dos espermatozoides, sejam eles decorrentes de falhas na produção dessas células (azoospermia e teratozoospermia), ou de problemas epididimários para aquisição de motilidade (astenozoospermia).

Azoospermia obstrutiva

A azoospermia pode também ser causada por motivos obstrutivos, quando aderências ou cicatrizes, normalmente localizadas nos epidídimos ou túbulos seminíferos, impedem a passagem dos espermatozoides, que não chegam a compor o sêmen.

Entre as principais causas de azoospermia obstrutiva, as seguintes se destacam por sua frequência:

O que é recuperação espermática?

blank

A maior parte dos casos de infertilidade masculina por azoospermia obstrutiva é permanente e só podem ser abordados pela reprodução assistida.

Entre as técnicas disponíveis, a FIV (fertilização in vitro) é a única indicação possível, já que apenas nesta técnica é possível utilizar as técnicas complementares para recuperação espermática, PESA e MESA.

Na recuperação espermática, diferentes procedimentos podem ser realizados para acessar os espermatozoides em trechos anteriores ao seu encontro com os líquidos glandulares, que compõem o sêmen.

Outras técnicas de recuperação espermática podem também ser indicadas para azoospermia não obstrutiva, como TESE e micro–TESE.

PESA (percutaneous epididymal sperm aspiration)

Nesta técnica complementar os espermatozoides são recuperados por punção, diretamente nos epidídimos. O procedimento é simples, realizado com a introdução de uma agulha especial até o interior dos epidídimos, capaz de coletar o material ali contido.

A punção não demanda internação nem a abertura de cortes para acessar os testículos, por isso pode ser realizada em ambiente ambulatorial, com anestesia local e sedação.

É importante saber que, mesmo quando o líquido epididimário puncionado pela primeira vez não contém espermatozoides, é comum que o procedimento seja repetido até que os gametas sejam encontrados.

MESA (microsurgical epididymal sperm aspiration)

Mais complexa que a PESA, esta técnica complementar precisa ser realizada em ambiente hospitalar, já que a anestesia geral também é uma opção além da local, e demandando tempo de recuperação pós-operatório.

Com auxílio de um microscópio cirúrgico, os epidídimos são observados com um nível de detalhes muito maior, o que torna possível localizar trechos com maiores concentrações maior de espermatozoides.

Apesar de ser um procedimento mais complexo e invasivo, a vantagem da MESA é que pode ser realizado uma única vez, sem a necessidade de repetição.

Como isso acontece na FIV (fertilização in vitro)?

As técnicas de PESA e MESA só podem ser utilizadas pela FIV, já que esta é o único procedimento que permite a fecundação fora do corpo da mulher, a partir de gametas coletados previamente.

A aplicação destes procedimentos é feita na etapa de coleta de gametas, que antecede a fertilização in vitro. Após a recuperação espermática, a fecundação pode ser realizada por ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoide), em que um único gameta masculino é introduzido no interior do oócito, com auxílio de uma agulha.

Como mencionamos, as indicações de PESA e MESA são feitas para os casos de infertilidade masculina por azoospermia obstrutiva, já que estas técnicas aumentam as chances de gestação, nestes casos.

Toque neste link e leia mais sobre recuperação espermática.

Compartilhar: Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

blank blank