Art Fértil | WhatsApp
Art Fértil
Reserva ovariana: o que pode afetá-la?

Reserva ovariana: o que pode afetá-la?

// Por Dra. Altina Castelo Branco

A infertilidade conjugal pode ser causada por diversos fatores. Entre as mulheres, a baixa reserva ovariana é uma das principais causas, sendo considerado um marcador da capacidade reprodutiva feminina. O envelhecimento provoca uma baixa inevitável na reserva ovariana, porém algumas doenças e condições também podem gerar distúrbios ovulatórios.

Os ovários são responsáveis pela produção dos hormônios estrógeno e progesterona, fundamentais para a reprodução, e pela produção dos gametas femininos, os óvulos. O seu processo de formação se inicia ainda durante a vida embrionária e é finalizado na puberdade.

Desse modo, as mulheres nascem com o seu “estoque” de folículos ovarianos — estrutura que contém o óvulo — definidos, que serão utilizados durante a sua vida reprodutiva até a chegada da menopausa.

reserva ovariana é muito importante para a fertilidade feminina, por isso, vamos mostrar os principais fatores que podem afetá-la. Boa leitura!

O que é reserva ovariana?

A reserva ovariana representa a quantidade de folículos ovarianos que a mulher possui naquele momento. Desse modo, podemos avaliar a capacidade reprodutiva da mulher a partir dela.

Durante o ciclo menstrual, vários folículos se desenvolvem por influência dos hormônios sexuais. No entanto, apenas um finaliza o seu processo de amadurecimento, liberando o óvulo em direção a uma das tubas uterinas, processo que chamamos de ovulação.

Ele é fundamental para que a gravidez aconteça, por isso, a presença de algum problema distúrbio ovulatório pode afetar a reserva ovariana.

O que pode afetar a reserva ovariana?

A reserva ovariana pode ser comprometida por diversos fatores, sendo alguns deles inevitáveis, como o avanço da idade. Outros podem estar relacionados a causas genéticas, processos inflamatórios e até cirúrgicos.

A presença de alguma alteração na reserva ovariana pode provocar distúrbios ovulatórios e, diante disso, afetar a fertilidade feminina. Por isso, vamos mostrar os principais fatores que podem comprometer a reserva ovariana. Confira!

Idade

A mulher nasce com o estoque definido de folículos ovarianos, que serão utilizados ao longo da sua vida reprodutiva. A partir da puberdade, além do óvulo que é liberado na ovulação a cada ciclo menstrual, vários folículos são perdidos durante esse processo.

Como os óvulos não são produzidos ao longo da vida da mulher (como acontece com os homens), a reserva ovariana diminui, em quantidade e qualidade, com o tempo. Por esse motivo, a fertilidade feminina começa a entrar em declínio a partir dos 35 anos e a mulher passa a ter mais dificuldade para engravidar.

Endometriomas

Os endometriomas são uma das manifestações possíveis da endometriose, junto com as do tipo peritoneal superficial e a profunda. A doença é caracterizada pela presença de tecido endometrial fora do útero, provocando um processo inflamatório na região afetada.

Também chamada de endometriose ovariana, os endometriomas são formados por cistos ovalados preenchidos de sangue e com tamanhos variados. Ela pode causar distúrbios ovulatórios, principalmente se os cistos forem grandes ou em maior quantidade. A inflamação provocada pela endometriose pode alterar a reserva ovariana e dificultar o amadurecimento dos óvulos.

Cirurgia de endometrioma

A endometriose é uma doença crônica e não possui uma cura definitiva. No entanto, existem opções de tratamento indicadas para aliviar os sintomas e proporcionar uma melhora na qualidade de vida da paciente. A cirurgia é uma delas.

A intervenção cirúrgica para a retirada dos endometriomas é indicada apenas nos casos graves da doença ou quando a fertilidade da paciente é comprometida. Durante a cirurgia, o tecido endometrial é retirado dos ovários, mas o procedimento é arriscado e pode afetar a reserva ovariana.

Menopausa precoce

Como vimos, a qualidade e a quantidade dos óvulos diminuem com o passar da idade da mulher. A chegada da menopausa acontece naturalmente entre os 45 aos 55 anos. Nessa fase ocorrem irregularidades menstruais, redução da ovulação e queda na produção dos hormônios sexuais.

Porém, quando ela acontece antes dos 40 anos chamamos de menopausa precoce ou de insuficiência ovariana precoce. Nesses casos, a reserva ovariana da mulher diminui antes do tempo, dificultando a gravidez.

Tratamentos oncológicos

Os tratamentos para o câncer, como a quimioterapia e a radioterapia também afetam a reserva ovariana. A quimioterapia pode afetar a fertilidade feminina dependendo do medicamento e das doses administradas. Na radioterapia, a radiação utilizada para combater as células cancerígenas pode danificar os ovários da paciente.

Nesse cenário, para preservar a fertilidade da paciente, a criopreservação dos óvulos é indicada. Assim, a mulher pode ter filhos por meio da reprodução assistida no futuro.

Existe tratamento para problemas na reserva ovariana?

A avaliação da reserva ovariana é a melhor forma de confirmar a quantidade e a qualidade dos óvulos da paciente. A partir do diagnóstico, o médico consegue indicar um tratamento, que é totalmente individualizado.

Nos casos em que o casal está com dificuldade para engravidar por conta da baixa reserva ovariana, a reprodução assistida é indicada. A definição de qual técnica será utilizada depende de diversos fatores e deve se basear na avaliação da fertilidade do casal. Entre as técnicas disponíveis, a fertilização in vitro (FIV) se destaca.

A FIV possui a maior taxa de sucesso e é indicada para a maioria das causas de infertilidade conjugal. Caso seja necessário, técnicas complementares podem ser incluídas dentro do processo da FIV, aumentando as chances do casal engravidar. Nos casos de baixa reserva ovariana, a doação de óvulos é uma excelente alternativa.

A reserva ovariana está diretamente relacionada com a fertilidade, sendo um dos seus fatores mais importantes. Entre as principais causas que podem afetá-la temos a idade, a endometriose ovariana e o seu tratamento cirúrgico, a menopausa precoce e os tratamentos oncológicos.

A avaliação da reserva ovariana é um dos exames mais solicitados durante a investigação da infertilidade feminina. Para saber como ele é realizado, toque aqui!

Compartilhar: Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *