Art Fértil | WhatsApp
Art Fértil
Diagnóstico da torção testicular: como é feito?

Diagnóstico da torção testicular: como é feito?

// Por Dra. Altina Castelo Branco

A torção testicular é uma anomalia que acontece quando os testículos giram sobre si mesmos, causando uma obstrução no cordão espermático – que também envolve veias importantes –, interrompendo o fluxo sanguíneo que abastece os testículos.

Isso costuma acontecer geralmente até a idade de 30 anos, sendo bem menos comum em homens acima desta idade. Esta é uma ocorrência que está muito ligada a homens que apresentam um desenvolvimento anormal do cordão espermático ou mesmo da túnica albugínea, que são predispostos à torção testicular.

Esta situação pode, porém, também ocorrer em decorrência de traumas mecânicos durante a fase da adolescência ou mesmo em pessoas que praticam alguns tipos de atividades esportivas que afetam a região de maneira frequente, como ciclismo, por exemplo.

Quando a torção testicular acontece, costuma causar muita dor, que se manifesta de forma abrupta e intensa.

É extremamente importante que a pessoa busque atendimento médico de forma urgente. Isso por que, como o fluxo sanguíneo que alimenta os testículos é interrompido pela torção, se esta não for tratada de forma emergencial – em um período de 6 a 12 horas –, o homem pode perder os testículos e ficar infértil permanentemente.

Falaremos neste texto sobre como é realizado o diagnóstico da torção testicular. Fique conosco para entender melhor como isso acontece e quais os procedimentos a serem tomados.

Boa leitura!

Quais são os sintomas da torção testicular?

Os sintomas da torção testicular acontecem de forma abrupta, assim que a torção ocorre e podem ser incapacitantes. De maneira geral, os possíveis sintomas da torção testicular são:

É importante ressaltar, que assim que o homem comece a sentir quaisquer desses sintomas, é imprescindível que busque atendimento médico especializado o mais rapidamente possível.

Como é feito o diagnóstico da torção testicular?

Na maioria dos casos, o homem chega ao médico para ser atendido já sentindo muita dor. Sabendo que não pode demorar para obter um diagnóstico, o médico faz um exame manual de emergência, para que possa atuar imediatamente e fazer a reversão da torção, evitando que o homem possa perder os testículos.

Depois de realizado o exame e os procedimentos manuais de emergência, a equipe médica realiza exames de ultrassonografia testicular com Doppler para fechar o diagnóstico.

É essencial que este diagnóstico seja obtido o mais rapidamente possível, já que em grande parte dos casos, o procedimento manual de emergência não é suficiente para sanar o quadro. Quanto mais demorado o diagnóstico, maiores são as chances de infertilidade masculina.

Torção testicular e infertilidade: Qual a relação?

blank

Como foi mencionado, quando acontece a torção testicular e os testículos giram sobre si mesmos e o cordão espermático fica obstruído. Esta obstrução faz com que o fluxo normal de sangue, que alimenta os testículos, seja interrompido. Se esta torção não é revertida rapidamente, os testículos acabam sendo afetados de maneira permanente e o homem perde a capacidade de se reproduzir naturalmente.

Além disso a própria cirurgia para a reparação do problema pode acabar deixando sequelas que obstruem o cordão espermático, gerando um quadro de azoospermia obstrutiva.

Na história da medicina, até algumas décadas atrás, a infertilidade masculina era desconhecida, e pensava-se que somente as mulheres eram responsáveis pela dificuldade de gerar filhos de um casal. Mesmo quando a infertilidade em homens já era aceita e conhecida, por muito tempo ainda foi considerada de difícil tratamento e deixada de lado.

Atualmente, porém já se sabe que a infertilidade masculina é tão prevalente quanto a infertilidade feminina, inclusive com taxas praticamente iguais para cada gênero.

Como é realizado o tratamento da torção testicular?

O tratamento da torção testicular acontece normalmente em duas etapas, como mencionamos anteriormente. Inicialmente o médico precisa fazer uma intervenção de emergência para que o homem não perca os testículos devido à falta de fluxo sanguíneo.

Assim, quando o homem chega ao hospital para receber atendimento, o médico que o atende realiza a reversão da torção de forma manual, girando os testículos no sentido contrário do que originou a torção e recolocando-os no lugar.

Depois que a reversão manual já foi feita, o médico precisa realizar exames de imagem para poder determinar os próximos passos a serem dados para o tratamento definitivo.

Na grande maioria dos casos, somente a reversão manual, não é suficiente para resolver totalmente o problema. Além disso, homens que possuem um desenvolvimento anormal do cordão espermático, muito provavelmente irão sofrer uma nova torção no futuro.

Para resolver estes problemas de maneira definitiva, a equipe médica pode realizar uma cirurgia que visa reparar o desenvolvimento anormal do cordão espermático, diminuindo de forma quase total as chances de que a torção aconteça novamente.

A cirurgia também é realizada nos casos em que o procedimento manual não consegue por si reverter a torção e liberar o fluxo sanguíneo para os testículos, sendo este um caso que demonstra a necessidade de que o diagnóstico mais profundo seja realizado rapidamente.

Como a reprodução assistida pode auxiliar nestes casos?

Assim como a medicina vêm avançando nas últimas décadas no conhecimento sobre a infertilidade masculina, as técnicas de reprodução assistida também caminharam em paralelo neste desenvolvimento e, atualmente, conseguem atender a maior parte das demandas reprodutivas masculinas.

No caso da torção testicular, o homem pode ficar infértil tanto por conta de sequelas da cirurgia de correção do cordão espermático, quanto por que perdeu totalmente os testículos pelo atraso no tratamento.

Em ambos os casos a técnica indicada para que este homem possa ter filhos novamente é a FIV (fertilização in vitro), técnica mais avançada atualmente em reprodução assistida. Esta técnica permite que os espermatozoides sejam coletados diretamente dos testículos por procedimentos como PESA e MESA, TESE e Micro-TESE, contornando assim os empecilhos criados pelo problema.

Nos casos em que o homem perdeu totalmente os testículos, ele ainda pode recorrer a FIV para ter filhos, necessitando, porém, de um doador de sêmen.

Se você possui mais dúvidas sobre infertilidade masculina, toque nesse link para ter acesso a mais de nosso conteúdo sobre este assunto.

Compartilhar: Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

blank blank